Artigos

A operação ‘taylor made’

Fernando Rosa – Ação contra filho de Lula tem cheiro de vingança da Lava Jato, afirmou o articulista Fernando Brito, em seu blog Tijolaço, nesta terça-feira, 10 de dezembro. O que parece ser a mais pura verdade, considerando a análise dos fatos do ponto de vista judicial. Mas também tem cheiro de entrega de “encomenda” feita à Lava Jato pelos patrões externos, dias atrás. 

Em primeiro lugar, o “filho do Lula” já foi alvo de dois inquéritos sobre supostos benefícios recebidos pela Gamecorp, empresa da qual é sócio. Investigado com todo rigor, foi absolvido em ambos os inquéritos, que foram arquivados a pedido do próprio Ministério Público. No entanto, agora retomaram a perseguição alegando “indícios obtidos quando da busca e apreensão no sítio de Atibaia em abril de 2016” – há mais de três anos.

A operação acontece uma semana após a visita de Willard Tenney Smith, ao TRF4, no último dia 3 de dezembro. Smith “é um agente de inteligência do Departamento de Defesa dos EUA que usa a camuflagem de ‘conselheiro político’ da embaixada estadunidense em Brasília”, denunciou o articulista Jeferson Miola. O agente dos interesses norte-americanos foi recebido pelo presidente do TRF4, Victor Luiz dos Santos Laus.

A estranha visita mantém a prática das relações promiscuas estabelecidas pela Lava Jato, em especial dos seus chefes, desde sua origem. É viva na memória a lembrança das sucessivas visitas do atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, aos Estados Unidos – e apenas aos Estados Unidos. É fato também a existência de trocas irregulares,sem autorização legal, de informações entre a Lava Jato e autoridades norte-americanas.

O Partido dos Trabalhadores reagiu acusando a Lava Jato de promover nova retaliação ao ex-presidente Lula. “Os procuradores da Lava Jato e a Polícia Federal comandada pelo ex-juiz demonstram mais uma vez sua inconformidade com a Justiça e o estado de direito democrático”, diz a nota. Para o PT, a operação reforça a necessidade do julgamento do habeas corpus da suspeição de Moro pelo STF, para cessar a perseguição contra Lula.

A operação desencadeada evidencia desespero da Lava Jato diante da fragilidade da farsa acusatória contra Lula em relação ao sítio de Atibaia. Ao tentar requentar, ou mais grave, “esquentar”, falsas acusações contra o “filho” o que a Lava Jato busca é atacar o pai que, por acaso, se chama Luis Inácio da Silva, Lula. Ou, ainda, mais do que isso, mostra abuso de poder para atender aos interesses políticos e econômicos externos.  

* ‘taylor made’ > sob medida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *