Bolsofake

23 de novembro de 2016 0 Por Senhor X

Fernando Rosa
A eleição do candidato republicano Donald Trump gerou um “frisson” no campo da extrema-direita nacional. Ao mesmo tempo, provocou uma equivocada e questionável preocupação entre os setores democráticos do país.
Logo após a vitória de Trump, o deputado Jair Bolsonaro tratou imediatamente de tentar capitalizar o feito do norte-americano. Para isso, armou uma barulhenta aparição pública no aeroporto de Recife.
Para seus seguidores, o deputado Jair Bolsonaro é o “Bolsomito”, um herói dos radicais, dos “verde-amarelos”. Para seus adversários, é uma perigosa ameaça à democracia, um fascista.
A bem da verdade, o deputado Bolsonaro é um enganador. Um político falastrão e hipócrita, igual a tantos, que prega uma coisa e, na prática, faz outra, traindo as causas, os eleitores e o país.
Ele se vende como patriota, mas apóia todas as medidas contrárias ao Brasil e aos brasileiros. O seu “nacionalismo” é tão “fake” quanto a bandeira brasileira nas “marchas” pagas por George Soros.
O deputado Bolsonaro apoiou o golpe de Estado, que atende aos interesses econômicos e geopolíticos dos EUA. Para tentar disfarçar a posição vende-Pátria escondeu-se atrás de uma ultrapassada verborragia pró-ditadura.
A PEC 241 (55) que promoverá o sucateamento das FFAA, além da saúde e da educação, conta com seu decidido apoio. Já os ataques à defesa nacional, ao submarino nuclear e ao projeto aeroespacial não merecem a atenção do “patriota”.
Trump elegeu-se defendendo os EUA, sua economia e os trabalhadores contra a exploração do neoliberalismo global, rentista e belicista. Ao contrário, o deputado Bolsonaro é representante desses mesmos interesses derrotados pelo povo norte-americano.
O deputado Bolsonaro tem seus seguidores, mas não representa o Brasil, as Forças Armadas, nem a maioria do povo brasileiro. Ele só pode ser visto como um “perigo”, se a bandeira da defesa da Nação for deixada em mãos como as dele.