Sem categoria

De volta à Idade Média

Brasil de Fato – Em entrevista exclusiva ao Brasil de Fato, Amorim afirma que nomeação é surpreendente e o deixa “muito triste”. “Sei que há muita divergência de opinião no Itamaraty, alguns pensam mais o livre mercado e outros mais como eu penso, mas tudo no domínio da racionalidade, em que o debate é possível. Neste caso o debate se torna impossível, é como ver um filme surrealista com conotações de pesadelo”, afirmou o ex-chanceler.
ENTREVISTA
O que o senhor pensa sobre as posições pró-Trump, antiglobalismo e contra um suposto “marxismo cultural” defendidas pelo futuro Ministro das Relações Exteriores?
Acho tudo uma fantasia que se não fosse trágica seria cômica, infelizmente é trágico porque trará consequências para o Brasil e para a sua inserção no mundo, para a paz mundial, que o Brasil contribui. Não estou falando só em relação a política que fizemos nos últimos 12 anos, sobretudo nos oito em que estive com o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas em relação a outros períodos. Não tem comparação.
Eu fui embaixador no governo de Fernando Henrique Cardoso, tinha divergências mas era tudo no plano do racional. Aqui estamos no plano de uma total fantasia, mas infelizmente é uma fantasia danosa, porque terá consequências práticas, atrelando nossa política totalmente a uma pessoa que já é objeto de restrições no mundo inteiro, em todos os países civilizados e democráticos há críticas fortes a Donald Trump.
Agora a passagem dele por Paris marcou outra, na comemoração do final da Primeira Guerra Mundial, ele já teve outro episódio com Macron [Presidente da França]. É uma pessoa que quer destruir tudo que foi criado, aliás, em grande parte pelo próprio Estados Unidos, que é essa estrutura normativa mundial.
Eu li um pouco sobre o Ministro nomeado e ele nega a importância das normas internacionais. Estamos voltando à Idade Média, ele é uma espécie do Direito Internacional pré-Grocio, um famoso pensador que foi precursor do Direito Internacional moderno. Então e algo até difícil de comentar, é muito surpreendente e é algo que me deixa muito triste, até pelos próprios colegas, porque sei que há muita divergência de opinião no Itamaraty, alguns pensam mais o livre mercado e outros mais como eu penso, mas tudo no domínio da racionalidade, em que o debate é possível. Neste caso o debate se torna impossível, é como ver um filme surrealista com conotações de pesadelo.
O que significa um Ministro de Relações Exteriores se dizer contra o globalismo/globalização?
É viver em um outro mundo, uma volta à Idade Média. Não tem cabimento, você pode até ser contra certos aspectos da globalização. Nós mesmos somos críticos, quando defendemos a agricultura familiar, que o comércio internacional tem que ter certas regras. Elas são necessárias justamente para disciplinar a globalização, para que os benefícios sejam distribuídos de maneira mais justa. Mas não se pode negar a globalização. É você negar a vida, dizer que ela era melhor quando não havia a escrita, ou a imprensa. É algo parecido com isso.
O que marca esse ponto de vista é também uma adesão ao trumpismo, uma reprodução sem crítica do que o Trump faz nos EUA, que ao meu ver não é bom nem lá, porque é contra imigrantes, contra mulheres, prejudicial aos negros. Mas, em termos de política externa, também é uma política de confrontação ao tempo todo, não é política de diálogo, e não se deve basear uma relação internacional nisso. Eu não concordo, mas Trump pelo menos está sentado em cima de cinco, seis mil ogivas nucleares e tem a economia mais forte do mundo. Não é nosso caso, então precisamos de cooperação, dos nossos vizinhos, para manter nossas fronteiras, por exemplo.
Eu sempre defendi o nacionalismo, mas um nacionalismo desenvolvimentista e solidário com outros países, esse nacionalismo estreito… Não sei, é tão fantástico que é difícil imaginar, mas acredito que possa criar um problema com os nossos vizinhos. Se somar isso às outras declarações que já ouvimos de Bolsonaro, de que Mercosul não é prioridade, tudo isso gera uma imensa preocupação. Eu fui por quase dez anos chefe daquela casa, também fui ministro no governo de Itamar Franco e embaixador no governo FHC. Tenho muita pena dos jovens diplomatas que vão ter que enfrentar um Brasil que eu nunca conheci.
Em outros artigos Ernesto Araújo elogia muito o ocidentalismo, preza muito pela história do Ocidente…
Essa é uma noção totalmente ultrapassada, inclusive eu vi ele citar Stengler, um autor pré-nazista que fala da decadência do Ocidente, uma visão que não tem nada a ver com a realidade. A ideia da decadência porque é contra a ascensão do povo, das massas, eles gostariam de uma realidade completamente elitista.
Eu acho que causa tanta perplexidade que eu ainda não sei nem o que vai acontecer, porque é fora do comum. Nunca vi nada semelhante, ninguém do Itamaraty processar ideias semelhantes, alguém com peso, autoridade, pode ser que haja pessoas excêntricas. Mas se ele for aplicar essas ideias à política externa será um desastre absoluto.
Ele construiu uma teoria cultural dele e é algo individual, que não tem nada a ver com o mundo real. E na medida em que tem é negativo, porque coloca o Brasil como um servo intelectual e cultural do trumpismo, que é algo feito para os EUA já de forma errada, mas que ainda é possível compreender porque é um país mais forte economicamente, que pode dizer que não quer estar sujeito à norma. O país [Brasil] não tem força para isso. Os EUA pelo menos tem a ilusão que tem, a gente não tem nem esse direito.
Será muito negativo para a integração latino-americana, que envolve o reconhecimento de outras culturas, será potencialmente muito negativo com as nossas relações com a África, porque a maneira que ele fala tem a ver apenas com o passado europeu. Quando dizemos que o Brasil é um país ocidental, o que isso quer dizer? 51% da nossa população é de origem africana, auto-declarada, o que vamos fazer com essa população? Jogar no mar?
O senhor poderia citar programas e políticas específicas relacionadas às relações internacionais que serão impactadas pelo discurso e possíveis medidas do novo governo?
Muita coisa já foi afetada no governo de Michel Temer, por inação, por uma subserviência aos EUA, mas que não era ao Trump e suas ideias, era mais ampla. Por exemplo, a pouca prioridade dada aos BRICs, tudo isso já vinha ocorrendo. Mas com ele eu temo que isso se agrave e ganhe um caráter teológico, meio religioso, que será difícil de reverter. Acho que o problema disso tudo não é só o que vai acontecer agora, mas que a credibilidade do Brasil ficará afetada por muito tempo, por décadas.
Com a grande maioria dos países do mundo…
Sim, com todos os países do mundo e vou lhe dizer a verdade, acredito que até com os EUA, porque eles passaram a nos respeitar quando passamos a defender nossa opinião e até mesmo a dialogar. Tivemos muito bom relacionamento até com George W. Bush, discordando muito de várias posições que ele tomava, mas nosso relacionamento, tanto em relação ao comércio, investimento, criação do G20 foi intenso com os EUA e com a União Europeia, porque eles respeitavam o Brasil. Agora, uma atitude que é até difícil de usar qualificativos, porque não quero ofender o rapaz, que é até mesmo de outra geração, mas sinto algo entre perplexidade e piedade.

Edição: Diego Sartorato

2 Comentários

  • marcelopjs

    O Presidente eleito entende o mundo pela mente de Olavo de Carvalho, toma decisões pela consulta à sabedoria de seus filhos, escolhe seu ministro de RE consultando um tal de Filipe Martins (?) e passará a se relacionar com a comunidade internacional através da visão medieval e fundamentalista do medíocre Ernesto Araújo, o diplomata que vai chefiar e orientar todas as representações diplomáticas brasileiras. Imagine-se como será a escolha de embaixadores!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *